12.9.17

A mentira

Veio a Coligação “Sim Acredita” Livre / Partido Socialista (sim o PS passou para segundo plano na coligação), apresentar hoje um novo outdoor.


Como se pode ver é afirmado que se gastaram 350 milhões em 8 anos. Ainda há pouco tempo atrás, na apresentação da candidatura diziam que eram 400 milhões! Já corrigiram parte do engano, sempre são menos 50 milhões de euros, mas mesmo assim continuam a faltar à verdade. Resta saber se será por falta de conhecimento e preparação do candidato ou pura e simplesmente uma mentira enorme para enganar os eleitores.

E passo a esclarecer. O que se gasta, como é dito no outdoor e se somarem todas as despesas desde 2010 (primeiro orçamento elaborado) verão que o total dá cerca de 239,5 milhões de euros, ou seja, menos 110,5 milhões de euros!! Esta informação está disponível nas atas das Assembleias Municipais e Câmara. Não crendo que a equipa seja tão impreparada, só resta a solução do faltar à verdade para enganar os felgueirenses. Mas nós também sabemos pelo passado que nunca foram muito bons a fazer contas.

Mas eu faço-as. Do total do que foi gasto (239,5 M€) há despesas correntes da câmara como os ordenados, etc. e as despesas em “obras” (as despesas de capital) que em média variam entre 33% a 35% do total da despesa. Ou seja, cerca de 83,8 milhões de euros para obras foi o valor que esteve disponível desde 2010.


Trata-se de, na falta de verdadeiras alternativas e ideias, tentar com falsas verdades enganar o eleitorado! Estas contas são públicas e estão disponíveis.

2 comentários:

themanace disse...

Ai a matemática?? Então se de 240 milhões, 35% são gastos em ordenados (84 milhões) sobram 65% (156 milhões),pelo menos no que se aprende na escola!!! 156 milhões que sejam da para muita coisa e pouco apareceu!

Sérgio Martins disse...

Ai o Português! Eu escrevo "há despesas correntes da câmara como os ordenados, etc. e as despesas em “obras” (as despesas de capital) que em média variam entre 33% a 35% do total da despesa. Ou seja, cerca de 83,8 milhões de euros para obras foi o valor que esteve disponível desde 2010." ou seja, as despesas para obras é que são 35% sendo que as despesas correntes (ordenados, etc.) representam em média 65% do total da despesa.