5.2.11

Ela usa óculos, só podia.

Todos os dias, Daniel, passava frente à montra da loja onde ela trabalha. É um oculista. A loja não é muito grande, mas tem metros intermináveis de montra por onde ele passava, procurando disfarçar o olhar, que a procurava incessantemente. Ela usa óculos, só podia. Tem um longo cabelo liso, castanho e feições estreitas. Mas é o olhar, de uns enormes olhos castanhos que reluzem, mesmo que atrás de umas hastes de óculos, que o desconcerta. Aquele ritual de passar frente à loja durou meses e meses, sempre da mesma forma, cada um observando o outro, de cada vez que Daniel ia tomar o pequeno-almoço, na pastelaria ao lado.

Ontem não foi diferente, os olhares cruzaram-se novamente, enquanto ele passava frente à loja. Nos últimos dias, havia já um leve sorriso entre ambos, uma mistura de cumplicidade e mensagem que só quem se sente atraído descodifica. Ele seguiu o ritual de todos os dias, pediu o habitual e sentou-se numa mesa. Não se apercebeu que, desta vez, ela o seguiu até à pastelaria.

Ouviu uma voz calma, quente, dizer: Bom dia, será que me posso sentar, e fazer-lhe companhia ao pequeno-almoço?

2 comentários:

Conceição Santos disse...

Gosto do que escreves!...Mesmo quando é sobre politica.

Um xicoração de amizade e carinho.

São do Santos

smartins disse...

Obrigado São!
beijinhos